Na década passada, um famoso estudo acadêmico de Geoff Mulgan e David Albury (Innovation in the Public Sector) definia a inovação no setor público como a “criação e implementação de novos processos, produtos, serviços e métodos de entrega, que resultam em melhorias na eficiência, eficácia ou qualidade dos resultados”.

Desde então, e particularmente no que se refere à gestão pública nacional, o tema da inovação tem sido muito mais teorizado que praticado. E muito embora existam ilhas de excelência na administração pública, resultado do trabalho incansável e obstinado de algumas lideranças que percebem a importância do seu papel junto à sociedade, os exemplos ainda estão longe de serem universalizados.

O INOVACITY Talks foi conversar com Cláudio Nascimento, diretor de tecnologia da cidade de Olinda, Pernambuco sobre os caminhos da inovação e sua importância significativa no aperfeiçoamento de processos da administração pública.

Cláudio tem um sólido background junto ao universo das startups e foi com essa experiência que chegou ao Porto Digital em 2010 e, dessa forma, na Prefeitura de Olinda, trazendo na bagagem o olhar da inovação e o senso de responsabilidade que logo viraram referência, bons exemplos e práticas replicáveis sobre como ‘hackear’ e desenvolver a gestão pública em benefício de todos.

O termo ‘hacker’ surgiu entre os anos 50 e 60 no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) para designar os integrantes de um grupo seleto de programadores que estudavam os computadores recém criados, descobrindo novos truques (hacks) ou formas de resolver problemas. A expressão se popularizou no meio da tecnologia, que por sua vez, se confunde hoje com a rotina das pessoas.

É nesse contexto que tomamos emprestada a expressão para refletir sobre as intervenções positivas que podem e devem ser pensadas no aperfeiçoamento das rotinas e processos, ressignificando o papel do gestor público de qualidade como curador essencial à conexão necessária entre governo, empresas e a sociedade; na concepção de ferramentas mais eficazes de e-gov; na aplicação intensiva da inovação e no desenvolvimento da economia criativa para solucionar os ‘bugs’ entravam e burocrartizam a rotina das nossas cidades.

Você já imaginou como a gestão da sua cidade poderia ser ‘hackeada’ em favor do coletivo? Baixe aqui este episódio do nosso podcast e conte para nós as intervenções positivas que você gostaria de ver acontecer na sua cidade.